Cadernos NAUI > Edições Anteriores > Vol. 8, n° 15, jul-jdez 2019

ISSN 2358-2448

 

APRESENTAÇÃO   EDIÇÃO ATUAL   EDIÇÕES ANTERIORES   DIRETRIZES PARA AUTORES   CORPO EDITORIAL   CONTATO

  Editora Chefe
Alicia Norma González de CastellsComissão Editorial
Mariela Felisbino da Silveira
Patrícia Martins
Dagoberto Bordin
Rafael Rodrigues
Vladimir Stello
Paola Peciar

Diagramação e formatação
Barbara Mendes Lima
Moema Cristina Parode
João Vitor Salvan

Capa
Moema Cristina Parode

Foto de Capa
Carla Wille Kielwagen

Ficha Técnica

Cadernos NAUI – Revista Eletrônica de trabalhos
acadêmicos do Núcleo de Dinâmicas Urbanas e
Patrimônio Cultural (NAUI) do Programa de
Pós-Graduação em Antropologia Social
(PPGAS) do Departamento de Antropologia vinculado
ao Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) da
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Universidade Federal de Santa Catarina
Trindade – Florianópolis/SC CEP 88010-970

Contato: cadernosnaui@gmail.com


Apresentação

Este número da revista Cadernos Naui apresenta cinco artigos que dialogam tanto na esteira da paisagem urbana e espaços públicos, como no das políticas públicas e do patrimônio cultural.

Carla Wille Kielwagen em seu ensaio intitulado “Transformações na paisagem de Porto Alegre: A relocação do camelódromo na Praça XV”, problematiza as consequências dessa intervenção urbana em relação tanto aos usuários da região: comerciantes, compradores e transeuntes da cidade, como às transformações da paisagem, que conforme autora acarretaram perda significativas de qualidade ambiental para o entorno local.

Bianca Siqueira Martins Domingos, Mayara de Oliveira Alves e Maria Cecília Mota Marques em “Analise bibliométrica acerca da produção brasileira sobre gentrificação entre os anos de 2006 a 2018″, propõem-se descrever e analisar as principais características do perfil da produção científica brasileira nesse período acerca do conceito de gentrificação a partir de um levantamento bibliométrico; delimitar um panorama da temática no intuito de contribuir com as políticas públicas. Sustentando, por sua vez, que as teias que entrelaçam o Estado, a Sociedade e a Universidade perpassam por nossas pesquisas e estudos, que produzem informações e conhecimentos confiáveis para uso de/para todos.

Leandro Eustáquio Gomes em seu artigo intitulado: “Construção Holística do Patrimônio Cultural” destaca a intensificação dos estudos sobre o patrimônio e a recorrência por afirmar a autenticidade das manifestações culturais que representariam a identidade e cultura de localidades, regiões, nações, ou mesmo como elementos expressivos da humanidade; até a defesa do movimento frente aos impactos da onda da globalização, que poderia gerar relativa homogeneização da cultura. E assim que o autor a partir do pressuposto de que o patrimônio é um elemento complexo de ser explanado, pois possui amplas nuances seja em termos teóricos, técnicos e práticos propõe-se a compreender parte dessa concepção de patrimônio contrapondo visões sobre o patrimônio, desde suas bases às edificações utilizadas na contemporaneidade.

“Da museologia social ao inventário participativo: patrimônio, território e desenvolvimento” de Isadora dos Santos Paiva e Fátima Alves aborda a Museologia Social no intuito de compreender dizem as autoras, seu lugar nas sociedades atuais como determinar seu papel no campo da Museologia. Valendo-se metodologicamente dos processos museológicos e das formas de pensar a museologia de forma integrada aos territórios, culturas locais e identidades, bem como pela pesquisa de novos caminhos da educação museal e patrimonial, Santos Paiva e Alves, propõem um modelo de Inventário Participativo, harmonizado à ideia de comunidades, espaços e memórias.

Por fim, o trabalho de Paula Zanardi intitulado “Embates entre a preservação ambiental e o patrimônio Cultural: Os cortadores de pedra na Chapada Diamantina”, discute conceitos relativos à temática do patrimônio cultural em interface com as questões ambientais. Trata-se de pesquisa etnográfica realizada entre cortadores de pedra que atuam na região da Chapada Diamantina. Autora apresenta essa atividade e seu valor cultural e patrimonial, e realiza uma avaliação das políticas de salvaguarda voltadas para esse tipo de bem cultural, demonstrando a importância da articulação entre as pesquisas acadêmicas e as políticas públicas.

Os editores


Transformações na paisagem de Porto Alegre: a relocação do Camelódromo da Praça XV
Carla Wille Kielwagen – UNIVILLE

Análise bibliométrica acerca da produção científica brasileira sobre gentrificação entre os anos de 2006 a 2018
Bianca Siqueira Martins Domingos; Mayara de Oliveira Alves; Maria Cecília Mota Marques – UNIFATEA

Construção Holística do Patrimônio Cultural: histórias, conceitos, e definições
Leandro Eustáquio Gomes

Da museologia ao inventário participativo: patrimônio, território, e desenvolvimento
Isadora dos Santos Paiva – UFPI; Fátima Alves – UC

Embates entre a preservação ambiental e o patrimônio cultural: os cortadores de pedra da Chapada Diamantina 
Paula Pflüger Zanardi