Cadernos NAUI > Edições Anteriores > Vol. 4, n° 7, jul-dez 2015

ISSN 2358-2448

APRESENTAÇÃO   EDIÇÃO ATUAL   EDIÇÕES ANTERIORES   DIRETRIZES PARA AUTORES   CORPO EDITORIAL   CONTATO

 

CAPA Editora Chefe
Alicia Norma González de Castells 

Comissão Editorial
Caetano de Freitas Medeiros
Dagoberto José Bordin
Mariela Felisbino da Silveira

 

Revisão de Texto
Alicia Norma González de Castells
Caetano de Freitas Medeiros
Dagoberto José Bordin
Mariela Felisbino da Silveira

 

Diagramação e formatação
Caetano de Freitas Medeiros
Simone Lira Silva

Capa
Caetano de Freitas Medeiros

 

Imagem de Capa
Jony Coelho

 

Ficha Técnica
Cadernos NAUI – Revista Eletrônica de trabalhos acadêmicos do Núcleo
de Dinâmicas Urbanas e Patrimônio Cultural (NAUI) do Programa
de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) do Departamento
de Antropologia vinculado ao Centro de Filosofia e Ciências
Humanas (CFH) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Universidade Federal de Santa Catarina – Trindade – Florianópolis/SC
CEP 88010-970

Contato: cadernosnaui@gmail.com

Apresentação

 

Os espaços urbanos são resultados das articulações urdidas pelos indivíduos que vivem neles e circulam por eles. O urbano também impõe a estes indivíduos uma dinâmica peculiar e determina seu ritmo, sua pulsação e, individualmente, a própria atuação de cada um destes agentes.

Essa complexidade implica constantes desafios para as ciências sociais, de aperfeiçoamento metodológico e reflexivo.

Os artigos e o ensaio fotográfico que trazemos neste número da revista Cadernos Naui buscam entender a dinâmica da cidade através da movimentação das pessoas em sua organização para o trabalho, em suas práticas de lazer e esporte e nas formas como reivindicam e simbolizam suas memórias.

Júlio Gabriel de Sá Pereira, em “Um olhar sócio-etnográfico sobre a prática dos skatistas na Trinda (Florianópolis-SC)”, discute a maneira como o desenvolvimento das cidades contemporâneas se relaciona com a consolidação de diferentes culturas urbanas. Apoiado na análise das formas de apropriação do espaço e na construção de laços de sociabilidade entre os skatistas que frequentam a “Trinda”, o autor apresenta os principais rasgos da cultura skatista local e ressalta as interações cotidianas dos praticantes e sua relação com os discursos sobre o esporte e o meio urbano.

O artigo intitulado “Intervenção em preexistência: Estudo para consolidação e valorização da Ruína Mussi, em Laguna/SC”, de Maria Luiza Nunes Caritá e Danielle Rocha Benício, traz importante contribuição no campo do patrimônio cultural e, mais especificamente, arquitetônico, nos âmbitos prático e teórico, ao apresentar as “remanescências edilícias” em estado de ruínas. Faz uma síntese acerca dos conceitos de “preexistência” e “ruínas” para, então, adentrar ao estudo de caso, uma ruína localizada em Laguna, no Litoral Sul de Santa Catarina, um ambiente sensível devido a peculiaridades topográficas, florestais e antrópicas.

“O esvaziamento do conceito de gentrificação como estratégica política”, de Natália Fonseca de Abreu Rangel, expõe considerações dos autores clássicos sobre gentrificação, Glass, Smith e Zukin, e analisa como se dá a apropriação deste conceito pelo leigo e pelo senso comum, enquanto mostra as implicações ideológicas por trás de seu uso corriqueiro, em especial nas apropriações em relação a matérias jornalísticas e na produção de entretenimento no Rio de Janeiro. Com autores latino-americanos, a autora analisa as diferentes forças que influenciam a produção científica e pondera sobre a aderência ou abandono do conceito de gentrificação como ferramenta de compreensão do espaço urbano.

Na entrevista com o antropólogo argentino Pablo Schamber, da Universidad Nacional de Lanús, autor do clássico “De los desechos a las mercancías”, Simone Lira e Alicia Castells discorrem sobre o trabalho em suas diversas interfaces com o mundo urbano. Sua experiência na pesquisa com vários grupos de trabalhadores urbanos, em especial os coletadores de resíduos recicláveis, autoriza o autor a ressaltar alguns dos principais problemas e conflitos políticos em que eles estão envolvidos e discute sobre o lugar ocupado pelo conhecimento antropológico no mundo contemporâneo. Qual é nossa responsabilidade na descrição do trabalho do Outro, tão próximo de nossa própria realidade? Pablo Schamber é formado em Antropologia Social pela Universidad Nacional de Misiones e tem desenvolvido consultorias para órgãos públicos e privados sobre reciclagem, gestão de resíduos e indústria de reciclagem. Buscamos, na entrevista com ele, refletir sobre o papel da antropologia nos embates travados pelos diferentes grupos humanos em disputa dentro do espaço urbano.

Apropriadamente, ao final, Simone Lira nos apresenta o ensaio fotográfico intitulado “Em ziguezague: trabalho, lixo e cidade”, resultado de pesquisa realizada junto à Associação de Recicladores Pôr do Sol (ARPS), de Santa Maria, Rio Grande do Sul, em 2009. Nesse período, essa associação era composta por quatro mulheres, com as quais a autora teve a oportunidade de experimentar o trabalho de coletar lixo na rua. Nas imagens que selecionou para este ensaio, Simone Lira descreve o trabalho de coletar os recicláveis, transportá-los ao galpão de ­­­triagem, separá-los e enfardá-los. Também busca refletir sobre as subjetividades implicadas no processo de pesquisa e na construção de imagens sobre o outro.

 

Um olhar socioetnográfico sobre a prática dos skatistas na”Trinda” (Florianópolis/SC)
Julio Gabriel de Sá Pereira – UFSC

Intervenção em preexistência: estudo para consolidação e valorização da ruína Mussi (Laguna/SC)
Maria Luiza Nunes Caritá – UDESC

O esvaziamento do conceito de gentrificação como estratégia política
Natalia Fonseca de Abreu Rangel – UFSC

Trabalhadores urbanos e o exercício da profissão de Antropólogo
Entrevista com Pablo Schamber

Em zigue-zague: trabalho, lixo e cidade
Ensaio fotográfico de Simone Lira da Silva