Cadernos NAUI > Edição Atual > Vol. 7, n° 13, jul-dez 2018

ISSN 2358-2448

 

APRESENTAÇÃO   EDIÇÃO ATUAL   EDIÇÕES ANTERIORES   DIRETRIZES PARA AUTORES   CORPO EDITORIAL   CONTATO
Editora Chefe
Alicia Norma González de Castells

Comissão Editorial
Alicia Norma González de Castells
Dagoberto José Bordin
Patrícia Martins

Diagramação e formatação
Barbara Mendes Lima
Moema Cristina Parode

Capa
Moema Cristina Parode

Foto de Capa
Wendell Marcel Alves da Costa

Ficha Técnica

Cadernos NAUI – Revista Eletrônica de trabalhos
acadêmicos do Núcleo de Dinâmicas Urbanas e
Patrimônio Cultural (NAUI) do Programa de
Pós-Graduação em Antropologia Social
(PPGAS) do Departamento de Antropologia vinculado
ao Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) da
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Universidade Federal de Santa Catarina
Trindade – Florianópolis/SC CEP 88010-970

Contato: cadernosnaui@gmail.com


Apresentação

Dando continuidade à discussão e divulgação de trabalhos transdisciplinares relacionados a dinâmicas urbanas e patrimônio cultural, esta edição da Revista Eletrônica Cadernos NAUI traz um conjunto de artigos que debatem memória, educação patrimonial, preservação, assim como o papel do antropólogo em processos que envolvem o patrimônio cultural. Essas pesquisas se debruçam sobre questões teóricas e estudos de casos, possibilitando-nos refletir mais profundamente sobre as intervenções urbanas e patrimoniais em curso no País. Entre os autores estão profissionais com formações diversas, nacionais e internacionais, que ampliam o debate através de olhares plurais que convergem para as temáticas de nosso núcleo de pesquisa.

Abrindo esta edição, temos o artigo de Juliana Geraldi Yamaguti, que reflete sobre a noção de patrimônio cultural enquanto construção social e categoria educativa para a formação dos cidadãos, através da política pública nacional de Educação Patrimonial idealizada pelo IPHAN. Deste modo, no texto Antropologia, Patrimônio Cultural e Educação Patrimonial, a autora propõe questionamentos elementares para compreender os diferentes campos, agentes e interesses vinculados ao Patrimônio Cultural Brasileiro, perpassando a noção de cultura para o senso comum e para a Antropologia; a contribuição da Antropologia no campo patrimonial e o papel de uma ação educativa para proteger e preservar o Patrimônio Cultural Material e Imaterial Nacional, entre outros.

Essa discussão reforça as considerações de Francisco Airton Bastos Silva Filho e Rachel Barros, no artigo Patrimônio Cultural Imaterial – o papel do antropólogo no processo de reconhecimento dos saberes e fazeres culturais, sobre cultura, patrimônio e suas categorias, enfatizando a de bem imaterial. Os autores propõem-se a refletir sobre o papel do antropólogo no processo de levantamento de fontes do patrimônio imaterial de Alagoas, elaborado por um grupo formado de pesquisadores  da Universidade Federal de Alagoas – UFAL, a partir do que as políticas públicas do patrimônio vigentes entendem como patrimônio imaterial. Com foco em questões como a relação entre turismo, patrimônio e sociedade, esse grupo de alunos bolsistas e corpo técnico buscou recensear fontes disponíveis sobre os saberes e os fazeres alagoanos, revelando a amplitude cultural da terra dos marechais.

Os demais artigos focam em estudos de casos envolvendo patrimônios culturais. São exploradas a importância da memória, a ressonância e as relações sócio-espaciais em pontos culturais. O texto de Erick M. Maciel, Fernanda Rodrigues, Humberto Varum e Aníbal Costa, através de pesquisa bibliográfica e documental, colocou em evidência a Estação Férrea de São Borja, no estado do Rio Grande do Sul. Esta edificação traz consigo grande legado histórico-cultural, além de ser representativa para o crescimento econômico e memória cultural da cidade. No estudo Estação Férrea de São Borja: a importância da preservação para a memória da cidade, foi possível demonstrar que a reabilitação da estação trouxe novos usos e certo nível de conscientização para a preservação do patrimônio ferroviário na cidade e a memória urbana.

Ainda no âmbito de patrimônio, memória e educação patrimonial, Ana Cecília da Silva realizou um estudo do Memorial Teotônio Vilela, em Maceió. O artigo Memória, Patrimônio e Ressonância: um estudo do Memorial Teotônio Vilela, em Maceió, objetivou reflexões que ajudam a explicar os motivos para a falta de identificação da comunidade com essa intervenção proposta pelo Estado. A autora concluiu que dentre outras questões, observa-se a falta de articulação com o poder público e a deficiência de uma educação patrimonial efetiva.

 Já Wendell Marcel Alves da Costa analisou a construção das relações sócio-espaciais das pessoas com as arquiteturas urbanas da cidade por meio das imagens urbanas na perspectiva do simbólico. O artigo intitulado Pontos de Memórias: Análise imagética das relações sócio-espaciais em Barreiras/BA discute temas como memórias, afetos, lugar, relações simbólicas, geografias-afetivas, tempo-espaço e narrativas da duração. A partir de registros visuais, do diálogo com teorias da imagem fotográfica e da poética do espaço, da análise e do entrecruzamento com os dados colhidos no campo, foi possível analisar um significante – permanência/fluxo – acerca dos pontos de memórias e das relações sócio-espaciais dos moradores com os lugares da cidade.

Desejamos ótima leitura e que os estudos apresentados nesta edição ampliem o campo de pesquisa, a visão sobre o patrimônio cultural e a discussão sobre as intervenções realizadas e as teorias que embasam as ações de valorização e proteção patrimonial.

Os editores.


Antropologia, Patrimônio Cultural e Educação Patrimonial
Juliana Geraldi Yamaguti – UNESP

Patrimônio Cultural Imaterial – O papel do antropólogo no processo de reconhecimento dos saberes de fazeres culturais 
Francisco Airton Bastos Silva Filho; Rachel Barros – UFAL

Estação Férrea de São Borja: a importância da preservação para a memória da cidade
Erick M Maciel; Fernanda Rodrigues; Humberto Varum; Aníbal Costa – UFSC; UA/PT

Memória, Patrimônio e Ressonância: um estudo do Memorial Teotônio Vilela, em Maceió
Ana Cecília da Silva – UFAL

Pontos de Memórias: análise imagética das relações socioespaciais em Barreiras/BA
Wendell Marcel Alves da Costa – UFRN